sexta-feira, 29 de outubro de 2010

POEMINHA



ARRANJOS

------Gerana Damulakis


Do tempo presente

em todo canto,

esgarço o que sou

e o que não;

solitária é a noite

sem estrelas,

tão na escuridão

profunda

do abismo,

que é assim

pintada:

o absoluto, o nada;

sempre pinto

o que escravizo

dentro de mim.

Agrade, ou não.



Ilustração: Rafal Olbinski

8 comentários:

Bípede Falante disse...

G!!
Não consigo sair daqui que cada vez que volto para a página inicial tem um post novo :) Estou adorando!
bjs

BAR DO BARDO disse...

Gostei do poem
inha,

Gerana.

Bom saber disso...

Rayuela disse...

estoy leyendo poemas de G!
y aplaudo!

besos,y buenas noches*

Lidi disse...

Concordo com a Bípede. Não estou conseguindo sair. :) Gerana, você tem algum exemplar de "Guardador de Mitos"? Se tiver, quero comprar. Fiquei curiosa em conhecer mais a tua poesia. Gostei muito do que li aqui no Leitora. Bjs

Lidi disse...

Ah, algum exemplar para vender, eu perguntei. Porque ter o livro, sei que você tem. De vez em quando, me enrolo com as palavras. :) Bjs

Assis Freitas disse...

grande poeminha, elevadíssimo canto


abraço

Lidi disse...

"[...] sempre pinto / o que escravizo / dentro de mim. / Agrade, ou não."

A tua pintura me agradou e muito. Bandeira também se dizia um poeta menor e veja só...

Gosto muito de você, sim. E como não gostar? Mais gosto, também, do que escreve, do que pinta com palavras, gosto da tua arte. Adoraria ter um livro teu.

Sentirei falta do Leitora. Porque apenas não o deixa quietinho por um tempo? Bjs, Gerana.

aeronauta disse...

Também quero muito ter esse livro.
Essa multiplicidade de posts é um presente! Cada um mais lindo que o outro!