domingo, 3 de junho de 2012

META: A SÍNTESE, A SÍNTESE

Desvario laborioso e empobrecedor o de compor vastos livros; o de espraiar em quinhentas páginas uma ideia cuja perfeita exposição oral cabe em poucos minutos. Melhor procedimento é simular que esses livros já existem e propor um resumo, um comentário.
Jorge Luis Borges
"Prólogo" de O jardim dos caminhos que se bifurcam in Ficções.
Tradução: Davi Arrigucci Jr. para a Companhia das Letras.

4 comentários:

Assis Freitas disse...

E Borges simula bem os livros que só tem existência ficcional: paradoxo dos paradoxos,

abraço

João Renato disse...

Na versão do Decameron filmada por Pasolini, a fala final de Giotto é mais radical ainda:
"Perché realizzare un'opera quando è così bello sognarla soltanto?"

Rayuela disse...

la suma de todas las palabras...


"el jardín..." es uno de los más perfectos policiales que se hayan escrito.

besos*

Bípede Falante disse...

Um gênio!!

Beijoss