quinta-feira, 23 de setembro de 2010

A GRANDE CENA DE AMOR E MORTE

Gerana Damulakis

A grande cena de morte da literatura brasileira é também uma grande cena de amor. Num só instante: morte, desvendamento de um mistério, confirmação de um amor.

João Guimarães Rosa: o Rosa, o grande Rosa e, na minha opinião, a grande cena de amor e morte da literatura brasileira. Até hoje faço a leitura da cena tomada de emoção, até hoje ainda fico arrepiada com a intensidade da emoção que as linhas abaixo são capazes de transmitir.


Ela era. Tal que assim se desencantava, num encanto tão terrível; (...) Diadorim! Diadorim era uma mulher. Diadorim era mulher como o sol não acende a água do rio Urucúia, como eu solucei meu desespero.
.........................................................................................................................................................
Eu estendi as mãos para tocar naquele corpo, e estremeci, retirando as mãos para trás, incendiável: abaixei meus olhos. E a Mulher estendeu a toalha, recobrindo as partes. Mas aqueles olhos eu beijei, e as faces, a boca. Adivinhava os cabelos. Cabelos que cortou com tesoura de prata... Cabelos que, no só ser, haviam de dar para baixo da cintura... E eu não sabia por que nome chamar; eu exclamei me doendo:
— Meu amor!...
João Guimarães Rosa in Grande Sertão: Veredas

Ilustração: Detalhe de mulher diante do espelho, de Vicente do Rego Monteiro (1899-1970).

27 comentários:

Non je ne regrette rien: Ediney Santana disse...

gosto também da cena,gosto da surpresa do amor não revelado e não morto com o corpo que se descobre não mulher mais algo Intermediário

Caio Rudá de Oliveira disse...

Pra mim, nada supera a morte de Baleia. De longe, a narrativa mais emocionante que já li.

Rayuela disse...

Bellísimo...voy tomando nota de los autores.

beso*

Leca disse...

Duas grandes estrelas...
João Guimarães Rosa...
Vicente do Rego Monteiro...

beijos
Leca

Walkyria Rennó Suleiman, disse...

((♥̮̃♥̃))
te gosto Gerana...depois volto pra te ler!

José Carlos Brandão disse...

Sim, é uma grande cena, das maiores.

Jefferson Bessa disse...

O que falar dessa cena, Gerana! Muitíssimo bela. Vibra por si só.
Beijos.
Jefferson.

dade amorim disse...

Tratando-se de Rosa, é covardia, Gerana. A cena é mesmo de arrepiar.
Beijo.

Camila Jornada "Análise do ser" disse...

estou seguindo,muito bom o blog...
abraços!!

Zélia Guardiano disse...

Tens razão, Gerana!
É lindo demais!
Até dói a boca do estómago...
Grande abraço, amiga!

Assis Freitas disse...

diria que o amor apazigua a morte, e Riobaldo pode enfim viver,

abraço

João Renato disse...

Oi, Gerana,
Há muito tempo que leio quase que só poesia. Mas você garimpa tão bem os seus textos que já penso em mudar de atitude.
Em abraço,
JR.

Flamarion Silva disse...

Belíssima cena de amor e morte, realmente. Impossível não se emocionar com este quadro tocante, que só um mestre é capaz de criar.
Como sempre, você colhe e comenta com inteligência e sensibilidade o que há de melhor na literatura.
Beijo.

Lisarda disse...

A morte fica muito perto do amor: habitamos no meio dos misterios.

Chorik disse...

Gerana, gosto muito da frase seguinte:
"Foi assim. Eu tinha me debruçado na janela, para poder
não presenciar o mundo."
E acho espetacular logo mais à frente:
"Ela tinha amor em mim.
E aquela era a hora do mais tarde. O céu vem abaixando.
Narrei ao senhor. No que narrei, o senhor talvez até ache mais
do que eu, a minha verdade. Fim que foi.
Aqui a estória se acabou. Aqui, a estória acabada. Aqui a
estória acaba."

Porrada atrás de porrada.

Bípede Falante disse...

G.
Uma leitura feita por você deve ser mesmo de arrepiar!
beijo.

Bernardo Guimarães disse...

vc acertou "na veia".
bjs meus e de vera.
precisamos reencontrar!

gláucia lemos disse...

É um trecho inesquecível e sempre comovente. Amor e morte sempre foram os dois pilares da vida, consequentemente da lilteratura também. Eros e Tanatos. Juntos são imbatíveis na emoção. A ilustração do grande cubista é de beleza admirável.

Ana Tapadas disse...

Como é que adivinhaste que ando a precisar que alguém me fale um pouco de Guimarães Rosa. Foi há tanto tempo que o li e vou precisar rever minhas leituras.
Se eu tivesse esta querida Gerana por perto!
Grande beijo

- Luli Facciolla - disse...

Toda vez que venho aqui me sinto tão adoravelmente burrilda... rsrsrs
Certeza que preciso ler mais! Bem mais!
E olha que eu mato um livro por semana quando estou no speed. Será que é pq não leito tanto os clássicos?!

Beijos

AC disse...

Dentro do contexto dos valores dos personagens em questão, é uma cena com um enorme impacto. Entendo e aceito, pois, a sua opinião.

Beijo :)

Fernando Campanella disse...

Maravilha, Gerana, sinto muita atração pelo universo do Rosa, pois sua busca do universal, do mito, nas origens, na terra, de alguma maneira é minha busca também. E, sem dúvida, esse trecho escolhido é de uma dor e de uma beleza infinitas. Grande abraço.

LÍVIA NATÁLIA disse...

Quando iniciei a leitura, antes de ver o nome de Guimarães, só pensei nele. Acabo de vir de um evento de semana de letras em que falei sobre este amor de Riobaldo e Diadorim. Das escolhas dela entre a vida e a morte. Chorei ao fim da leitura de meu texto e os leitores apaixonados também choraram. Foi lindo!

Walkyria Rennó Suleiman, disse...

Li, me doendo!
Muito forte Gerana

betina moraes disse...

gerana,

estonteante!

realmente, agora que você destacou, a cena é a maior de todas!


um beijo, querida.

Paula: pesponteando disse...

Gerana, humanamente falando,sempre pensamos na morte com certo receio, algo feio, fim de tudo. Mas a literattura chega e põe poesia, a pinta com tantas cores que o mito cai por terra e vira apenas arte, e o que era triste fica belo.
Este trecho transborda o espaço das palavras e sai do texto em forma de incenso a nos purificar, nos envolvendo até a alma. É uma dor gostosa de sentir...a dor provocada pela excelência da arte.

abraços..

Mai disse...

É perfeita, em todos os detalhes.

abraços