sexta-feira, 28 de maio de 2010

A SEDUÇÃO


Gerana Damulakis

Fiz uma pequena reforma na minha biblioteca e, na hora de recolocar os quadros nas paredes, o homem trocou a disposição dos dois que ficam acima do computador, bastando que eu erga os meus olhos. Diretamente acima ficava Clarice Lispector e, do seu lado, João Cabral de Melo Neto. Agora, ergo os olhos e vejo imediatamente o poeta. A foto é exatamente a desta postagem, só que grande, com vidro, e emoldurada. É uma foto que me diz tanto. Bom, daí me ocorreu a lembrança do poema "A mulher e a casa", que levanta os mistérios da sedução da mulher, ao comparar ambas, mulher e casa. Vale atentar a sensualidade dos versos finais, a última estrofe.

A MULHER E A CASA
--------------João Cabral de Melo Neto


Tua sedução é menos
de mulher do que de casa:
pois vem de como é por dentro
ou por detrás da fachada.

Mesmo quando ela possui
tua plácida elegância,
esse teu reboco claro,
riso franco de varandas,

uma casa não é nunca
só para ser contemplada;
melhor: somente por dentro
é possível contemplá-la.

Seduz pelo que é dentro,
ou será, quando se abra;
pelo que pode ser dentro
de suas paredes fechadas;

pelo que dentro fizeram
com seus vazios, com o nada;
pelos espaços de dentro,
não pelo que dentro guarda;

pelos espaços de dentro:
seus recintos, suas áreas,
organizando-se dentro
em corredores e salas,

os quais sugerindo ao homem
estâncias aconchegadas,
paredes bem revestidas
ou recessos bons de cavas,

exercem sobre esse homem
efeito igual ao que causas:
a vontade de corrê-la
por dentro, de visitá-la.


Foto de João Cabral de Melo Neto. Gostaria de saber quem fez esta foto.
João Renato comentou: "A foto é do Bob Wolfenson. Tá no site dele".

31 comentários:

Marcus Vinícius Rodrigues disse...

Belíssimo, minha querida Gerana

Walkyria Rennó Suleiman, disse...

hum..... esse amor que aceita visitar todos os recônditos com igual respeito...

me lembrei tbm de quando aprsenteei aqui na Net. Soube do quadro, ao alcance de teu olhar

boa noite Gerana...]tão bom dizer-lhe boa noite, saber que vc está ai, firme e linda!

Tânia regina Contreiras disse...

Omáximo, Gerana! O máximo!

Beijos
Tania

Juan Moravagine Carneiro disse...

Lindo post...

Me fez recordar de Chico Buarque ao relatar certa vez uma duvida que tinha em relação a sua biblioteca...

Vou procurar e lhe mando...(Me cobre, por favor)

Agradecido pelas visitas ao Rembrandt

Lisarda disse...

Perfeito na simplicidade!
Me faz lembrar ao que cantaba Amalia Rodrígues em Uma casa portuguesa:
Um São José de azulejos
mais o sol da Primavera,
uma promessa de beijos,
dois braços à minha espera...
E a foto do poeta com os olhos fechados, como se olhase para dentro de outro mundo,sim, da para refletir.

Gisele Freire disse...

É Gerana, teu bom gosto é indiscutível!
Foto de João, emoldurada, na altura dos olhos, ainda por cima um grande retrato em pb, é do melhor.
O poema eu não conhecia e é uma beleza, sou fã deste grande senhor!
bj e bom fim de semana:)

...descreves tão bem as coisas, que posso mesmo ver tua biblioteca e pra mim ela é em preto e branco, com alguns raios de luz a entrar pelas janelas :).

Assis Freitas disse...

Divagando fico a pensar na importancia da letra J na literatura brasileira: José de Anchieta, José de Alencar, Joaquim Machado de Assis, Jorge Amado, João Guimarães Rosa, João Cabral, João Ubaldo, José Oswald de Andrade, José Lins do Rego e por aí vai.
E quando se fala em casa, poesia , mulher , sedução , eu lembro de Adélia Prado.

Abraço

João Renato disse...

Gerana,

Esse João Cabral tão brasileiro, tão nordestino, e tão erroneamente considerado autor de uma poesia sem alma, escreveu alguns poemas onde a engenharia só realça seu humor e sensualidade.

Lembrei-me, agora, desse:

"As frutas de Pernambuco"

Pernambuco, tão masculino,
que agrediu tudo, de menino,

é capaz das frutas mais fêmeas
e da femeeza mais sedenta.

São ninfomaníacas, quase,
no dissolver-se, no entregar-se,

sem nada guardar-se, de puta.
Mesmo nas ácidas, o açúcar,

é tão carnal, grosso, de corpo,
de corpo para o corpo, o coito,

que mais na cama que na mesa
seria cômodo querê-las.

Abraço,
JR.

Caio Rudá de Oliveira disse...

Erotismo mais que velado. Muito bom.

Gerana, meus livros chegaram. Gostaria de lhe enviar um exemplar.

~*Rebeca e Jota Cê*~ disse...

Gerana,

Da forma que foi detalhada sua biblioteca, deu até pra imaginar a atmosfera que te cerca.

Muito bom gosto!

-------------------

O fotógrafo Jan Von Holleben é fera na hora de clicar os momentos simples da vida. Ele faz a magia brincar com a nostalgia de uma forma espetacular.

Espero que goste:

http://www.janvonholleben.com/?page_id=4

Beijo imenso, menina linda.

Rebeca

-

claudio rodrigues disse...

Belo, O Cabral e o poema! Música pura! E ele dizia que não era musical... Ironico.

Non je ne regrette rien: Ediney Santana disse...

a casa da gente garda muito da nossa personalidade, nossa casa nos guarda em nossos mistérios...

Rayuela disse...

querida Gerana, digo lo que ya te dije en otra oportunidad,es bueno venir aquí, siempre aprendo y aprehendo.
no conocía a Joao Cabral de Melo Neto, no tenemos en este país gran acceso a la literatura en lengua portuguesa.

gracias, Gerana; siempre es un placer visitarte

mil besos*
Silvia

Jefferson Bessa disse...

Belo poema, Gerana! A sedução na afirmação de um "dentro" enquanto espaço. Por isso visível, sentido e objetivado (entre a mulher e a casa).
Vamos "sensualmente" passeando por essa casa, "pelos espaços de dentro,/não pelo que dentro guarda".
Grande escolha. Belo, belo poema!
Sim, os últimos versos são de uma sensualidade de primeira!

Beijos.

Ana Tapadas disse...

A fotografia é fantástica. Eu gosto tanto de rostos com marcas da vida e do tempo, como se fossem pergaminhos aonde se escreveu a riqueza de uma vida - ainda por cima de um tão excelente poeta.
Como deve ser linda a tua biblioteca!
Beijão

Bípede Falante disse...

Gerana, seu escritório deve ser um lugar e tanto para se estar.
Adorei o poema do João Cabral de Melo Neto. Eu não tenho dúvida alguma de que somos casa e em todos os sentidos.

Tânia regina Contreiras disse...

Gerana, ma-ra-vi-lho-so!!!

Brijos,
Tânia

Gregorio Omar Vainberg disse...

O Joao parece de pedra nessa foto, e o punho que segura tanta cabeza, então...

Um abraço

Fernando Campanella disse...

Realmente, o final é de um sensualismo, uma beleza, fecho de ouro nessa metáfora da sedução.

glaucia lemos disse...

Admirável a sutileza do cunho erótico do poema. Admirável.

nina rizzi disse...

eu já vinha a ler seu nome e agora me pergunto: porquê nao vim aqui antes? uma maravilha de espaço, escolhas e apontamentos.

um beijo.

Maria Muadiê disse...

adoro esse poema
que foto maravilhosa!

Carolina Caetano disse...

Gerana, você, então, acabo tocando num dos pontos universais que mais me apavoram: João Cabral. Eu, muito nova, tive mais idas que vindas lendo 'O cão sem plumas'. Essa foto é maravilhosa, muito rosto, muita pele, muita casa!
Forte abraço!

Carolina.

Valéria Martins disse...

Hoje eu vi uma foto mais bonita do João Cabral: ele rindo. Gargalhando! Uma das poucas fotos dele sem sua "sisudez mineral", como dis a legenda do jornalista Sérgio Augusto. A foto é de Paulo Garcez, fotógrafo do Pasquim. Lindíssima!

aeronauta disse...

Este é um dos meus poemas preferidos de Cabral. Abraços.

betina moraes disse...

pelamordedeus, que foto maravilhosa! posso morrer de inveja? deixa?



depois de um desabafo por causa do despeito,

preciso dizer que o verso tem toda aquela estrutura de joão, que coloca volume e peso nas coisas mais etéreas e as faz serem reais, palpáveis, contornadas de formas. há tanta beleza nas palavras dele...

Gerana, foi um presente a postagem! um beijo grande para você.

Adriana Karnal disse...

Gerana,
é antes um poema requintado, uma casa bem decorada. E tua decoração é de muito bom gosto, q bela imagem.

Edu O. disse...

Enviei um email sobre o projeto do livro. bjs

Walkyria Rennó Suleiman, disse...

Gerana, olha o fã-clube fazendo fila na porta.....

hehehe, letradas as minas. Jogadora de quebranto e abduzida..... mas letradas.

João Renato disse...

Gerana,
A foto é do Bob Wolfenson. Tá no site dele.
Abraço,
JR.

José Carlos Brandão disse...

João Cabral pode ter sido o mais sensual dos nossos poetas. Os sentidos, a pele, a palavra com consistência de coisa, fruta, carne.
Um abraço, Gerana.