quinta-feira, 14 de janeiro de 2010

MINICONTOS

Gerana Damulakis

Já tive oportunidade de postar minicontos algumas vezes. O de Ernest Hemingway não pode ficar de fora, é o meu preferido. O do guatemalteco Augusto Monterroso é tido como o mais famoso miniconto, até a Wikipédia traz este exemplo. Gosto muito do miniconto de Antônio Torres. E quantas histórias posso imaginar com o miniconto de Ronaldo Correia de Brito.


Vende-se: sapatos de bebê, sem uso.
Ernest Hemingway


Quando acordou o dinossauro ainda estava lá.
Augusto Monterroso


MAS O RIO CONTINUA LINDO
Pensa o desempregado ao pular do Corcovado.
Antônio Torres


FUMAÇA
Olhou a casa, o ipê florido. Tudo por ela. Suspendeu a mala e foi.
Ronaldo Correia de Brito

Os dois minicontos dos escritores brasileiros estão no volume Os cem menores contos brasileiros do século (Ateliê Editorial, 2004), organização de Marcelino Freire.

11 comentários:

Pena disse...

Preciosa Amiga:
Extraordinárias. Sensíveis. Intensas. Perfeitas.
Possui uma sensibilidade maravilhosa de encantar.
Tudo aqui cintila de maravilha e de fascínio.
Excelente.
Beijinhos amigos.
Sempre no maior respeito e estima GIGANTESCOS.
Fabulosa.
Com admiração pela sua escrita de sonho.

pena

Brilhante, amiga!
Bem-Haja!

BAR DO BARDO disse...

Todos carregam-nos a alma. Ou seja, literatura.

maria guimarães sampaio disse...

Só me cabe agradecer, Gerana, por estes portentosos mini-contos. Você, realmente... encontra é coisa!
Veleu! Beijos de Maria

Non je ne regrette rien: Ediney Santana disse...

Sai ainda esse mês pela Editora Multifoco meu livro com minicontos, o livro chamas Sanabel, gosto de escreve curto, é um desafio,
e em relação ao Ernest Hemingway
, não conhecia seus contos.
no meu http://edineysantana.zip.net há só minicontos, mas não tão pequeninos assim, abraços

Assis Freitas disse...

Puxa eu adoro minicontos. Dalton Trevisan tem um livro 111 Ais, que é um primor. Monterroso também é meu favorito. Vou transcrever um a seguir: "Hoje me sinto bem, um Balzac: estou terminando esta linha". Abraço.

Maria Muadiê disse...

maravilhosos.

Antônio Torres por e-mail disse...

Brigadin, brigadão, caríssima Gerana.

Seu blog é uma fofura. Leve, rápido, inteligente (como sempre, vindo de você).

Embarco daqui a pouco para uma nova temporada "oficinal" na Casa do Saber.

Bjs,

Antônio

Gisele Freire disse...

São lindos Gerana!
Boa escolha :)
bj
Gi

glaucia lemos disse...

Conheço vários contos de Hemingway, de quem gosto muito, mas os mini ainda não. Comovente o que você postou. A propósito, é muito antiga a divulgação do menor soneto publicado, não me recordo o autor porque o li na adolescência e lá se foi. Começa assim: "não te esqueças de mim, querido meu" (seguem-se 12 linhas pontilhadas e vem o final:)"e foi ela afinal quem me esqueceu." Gerana, a nova feição do seu blog foi um achado, não se poderia fazê-lo melhor.

João Renato disse...

Gerana,
Borges dizia que ler é traduzir.
Mas ler alguns minicontos é escrever.
Estou adorando o seu blog; leve e rico.
Meus parabéns.
Abraço,
JR.

Nydia Bonetti disse...

Este teu blog é mesmo uma mina, Gerana. Sempre saio mais rica daqui.

beijo.