segunda-feira, 28 de novembro de 2011

IDEIAS, PALAVRAS, HUMORES, SUSPIROS E MEMÓRIAS



Gerana Damulakis

Bula Pro Nobis é o título da mais recente reunião de poemas de Fernando da Rocha Peres, com ilustrações de Mário Cravo Jr., apresentação de Carlos Nelson Coutinho, lançado pela Solisluna Editora, composto por três divisões: Suspensio, Infusion e Potio.

Descrito o livro e expondo a concordância no que tange à necessidade de adjetivar, “Tudo é preciso/ adjetivar (para o bem,/ para o mal) da natureza”, “Nada pode dizer/ sem adjetivar!”, posso usar o adjetivo excelente para indicar a impressão da minha leitura.

Se a poesia não é remédio, pois que não salva, tampouco cura, pelo menos traz encantamento, independente de como venha (ou como se tome), seja em estado de suspensão, infusão ou, tal um xarope, como poção.

Sempre afeito a atentar no tanto que há de enfermiço no ser humano – e que por isso mesmo nos torna humanos – seja na alma, seja no corpo, como certa febre terçã, ainda assim o poeta não é derrotista, pois há esperança e amor, principalmente amor, nos seus versos. E a esperança é daquelas próprias aos que não desdenham a religião, quando mais não fosse pela fé cega, que seja por uma certa perplexidade diante da história religiosa. Tal como um evangelista, os versos do poema “Entrevista” dão conta de um diálogo divino. Encantador!

Em “Alegoria VIII” está: “Aprendiz de um Pessoa,/ amante de uma Florbela”. Vou mais longe: Fernando faz parte da linhagem de Bandeira e Drummond. E a literatura sendo, como é, uma arte, então é também um imenso diálogo, daí ouso dizer que certos tons, que certos versos cantam como cantam os de CDA e MB. E não seria para menos, porque os versos de Bula Pro Nobis trazem ironia e lirismo. Fernando da Rocha Peres sabe usar essas duas ferramentas da arte, ferramentas caras e de difícil manejo, já que é preciso justamente arte para saber lidar com elas utilizando destreza, na medida exata, na dose certa. E nosso poeta, conhecedor de infusões, suspensões e poção, entende a química necessária.

Há poemas no livro que me fazem suspirar, vou elencar aqueles que ressoaram no lado esquerdo do meu peito. Destaco por empatia imediata os poemas: “Deshumor”. O aperto na alma causado pelo último terceto de “Sinal”. E ainda: “Mesmo”, “Assim”, “Verbos”, “Entrevista”, “Página”, “Ambíguo”, “A Tigela”, “Sahrãzãd”.

E agora versos que foram lidos e relidos, pois uma vez seria pouco, tal a atração que exercem.

Em  “Recado”: “Três ou quatro poemas/ bastam para desistir,/ se desço ao abismo de Dante./ A lição infernal queima devaneios.”

Em “Passos”, para as mães argentinas: “Maria bem sabe a cruz/ que sofreu, ao ver uma vida/ pregada nos pés e mãos”. Murilo Mendes ficaria com inveja.

No poema “Busca”: “Harmonia e linguagem:/ dupla viaviagem/ na pauta dos iluminados.”

E como Drummond cantou Bandeira, Fernando faz homenagem justa a Florisvaldo Mattos, nos seus setenta anos, com “Canários”.

Com “Maruja”, “(...) a poesia torna-se/ urgente para atiçar e abrir colheitas.”

 E em “Idiotias”: “Voltar e revoltar os olhos/ para a Terra onde vivemos/ e deixar o Universo com Deus:/ eis a lição dos poetas e loucos!”

Belos, belos os versos: “O amor é sentimento guardável,/ hoje, pois a vida não cabe exposições/ de um longo beijo que foi, se tudo é desnada.”, em “Confissões I”.

E a construção dos versos: “A poesia descabe, despontua,/ desliza: a costureira jovem e solteira,/ faz o pesponto e a bainha do manto.”, em “Escrita”.

Fiquei repetindo este terceto de “Passagem I”: “Aturdido estou, neste acordar de veraneios,/ e busco entender o código dos cantos mudos,/ delirantes, anunciados, idos em dezembros.”

 Concordei e pensei no belo achado em “Cru”: “O tempo é biográfico”.

O poema “Ao Poeta” traz como primeiro verso de cada estrofe o primeiro verso do famoso poema de Álvares de Azevedo – “Se eu morresse amanhã, viria ao menos/ Fechar meus olhos minha triste irmã;/ Minha mãe de saudades morreria/ Se eu morresse amanhã!”-   enquanto o poema “Lento” também gerou um suspiro: “Ah! A saudável ondulação/ da vida gota a gota”.

Com “Libitina” me emocionei muito: “A sempre esperada/ nos acompanha na vida/ e nada anuncia/ do seu diário e agenda/ que pode ser de sol/ e sustos, chuviscos até,/ mas requer um lençol/ branco, áspero e limpo/ de linho cru, igual ao deserto,/ para a viagem e o encontro”.

Por fim, vou reproduzir na íntegra um poema curto, mas que valeu a água de lágrimas. Realmente, me tocou bastante:

PÁGINA

Talvez o velho/ entenderia o filho:

mas hoje é tarde, e nada

ecoa além de lembranças.



O tempo já era, a vida idem.

Ele morreu, Octávio, tão jovem!...

Eu sobrevivo sua ausência.



Este é um grande livro de poemas. Fernando da Rocha Peres escreveu em versos que refletem o quanto podemos ficar abismados diante da vida e seu caminho andado, além de estupefatos, sempre e sempre, por ela continuar existindo (ela, aquela que “nos acompanha e nada anuncia do seu diário e agenda” – é espetacular este poema “Libitina”).

Adjetivei. Enfatizo: excelente!








10 comentários:

dade amorim disse...

Grata surpresa reencontrar você, Gerana. Não sabia que estava postando. Aleluia.

Beijinos.

Assis Freitas disse...

posologia: sem contra indicação, santo remédio para todas as horas


abraço

Anônimo disse...

Cada verso poderoso. Basta ler "Página" e a sobrevivência apesar de uma ausência.Lembrei-me do que sinto em relação à ausência de mãe na minha vida.Sobrevivo. O poeta disse tudo, disse o que sinto e que eu não sabia. Para isto existe a grande poesia.
Sandra

João Renato disse...

É essa coisa estranha da arte: transformar a dor em emoção ou até mesmo beleza.
JR.

Tania regina Contreiras disse...

Tão te reencontrar por aqui, Gerana. Seu olhar e suas palavras faziam falta.Enquanto te lia, no entanto, só discordava da cura que a poesia realiza. Porque cura, sim! :-)
Beijos, querida, muito boa a surpresa...
Beijos,

Anônimo disse...

Realmente excelentes versos. A descrição da morte no LIBITINA está excelente. Estou me repetindo, mas vc também faz isso, adjetiva e readjetiva.
Bjo de Pedro
Vá lá no meu blog, fiz uma resenha sobre o filme Razão e Sensibilidade, inspirada na sua postagem anterior.
Outro bjo. Pedro

Adriana Karnal disse...

Gerana,
então estás de volta, grata surpresa ;)

Adriana Karnal disse...

Poxa, agora que vi q meu coment está na linha da Dade,rsrsr

Ana Tapadas disse...

Interessante, bela amostragem.
Feliz por ver-te regressar às boas recensões de autores que não conheço.

Beijoca

Rayuela disse...

gracias gerana, desconocía a este poeta.


besos*