terça-feira, 7 de setembro de 2010

UM POETA HEDIONDO EXTRAORDINÁRIO





Gerana Damulakis

Augusto dos Anjos (1884-1914) intitulou o seu livro de poemas Eu, publicado em 1912, talvez porque tivesse total consciência da singularidade de sua poesia.Talvez? Ele era tão consciente que, antecipando estranhamentos, escreveu “Noli me tangere”, quando pinta a si mesmo.

NOLI ME TANGERE
----------Augusto dos Anjos


A exaltação emocional do Gozo,
O Amor, a Glória, a Ciência, a Arte e a Beleza
Servem de combustíveis à ira acesa
Das tempestades do meu ser nervoso!

Eu sou, por consequência, um ser monstruoso!
Em minha arca encefálica indefesa
Choram as forças más da Natureza
Sem possibilidades de repouso!

Agregados anômalos malditos
Despedaçam-se, mordem-se, dão gritos
Nas minhas camas cerebrais funéreas...

Ai! Não toqueis em minhas faces verdes,
Sob pena, homens felizes, de sofrerdes
A sensação de todas as misérias!


Ilustração: Salvador Dalí, Crianças Geopolíticas Assistindo ao Nascimento do Novo Homem.

22 comentários:

Jefferson Bessa disse...

Gosto muito da força que há nos poemas de Augusto dos Anjos! É tão certeiro em seus poemas. Linda postagem, Gerana! Um beijo.
Jefferson.

Renata Bezerra disse...

Augusto dos Anjos expôs aquilo que escondemos. Lembro da primeira vez em que li um poema seu, no colégio... Palavras nuas e cruas. Estilo inconfundível. Fiquei imaginando o que se passava em sua mente e em sua vida.

Um abraço, Gerana.

Jairo Cerqueira disse...

Gerana, você abriu espaço para um dos maiores nomes da história das letras.
O filho do carbono e da amoníaco, um ser Augustamente Angelical.
Bjs.

Kovacs disse...

Perfeito o título da postagem.

Non je ne regrette rien: Ediney Santana disse...

não preciso nem dizer que amo Augusto dos Anjos
veja aqui http://www.youtube.com/watch?v=3HYm3BhIoJQ
eu gritando depois de uma canção uma de suas poesias

Paula: pesponteando disse...

Gosto de ver como a literatura sempre fez de seus amantes e escritores, homens a frente do seu tempo, sábios da sua condição, do estar-no-mundo.
Sempre bom beber desta tua fonte...

bjs

Assis Freitas disse...

um dos primeiros poetas que tive contato na vida, ainda adolescente. a sua força continua através das décadas. e é incrivelmente popular a sua poesia cheia de palavras estranhas ao vocabulário comum,


abraço

Chorik disse...

Polêmicas à parte, conheces os poemas do espírito Augusto dos Anjos pela psicografia de Chico Xavier? Conheces a história de como Augusto dos Anjos se apresentou a ele, contada pelo próprio Chico?
Posso postar sobre isso e dialogar contigo?
Bj

Adriana Karnal disse...

Eu não su muito dos Augusto dos anjos, te confesso...mas nesse momento adorei o poema...

Tania regina Contreiras disse...

Estranhos o bicho Poeta, eu às vezes penso... Mas imprescindíveis!
Beijos, Gerana.

Jairo Cerqueira disse...

Chorik, legal essa lembrança. O poema é 'Alter Ego'.
Um texto maravilhoso.
Vlw!

Ana Tapadas disse...

Extraordinário e forte,mesmo!
Beijo, querida Gerana

Bípede Falante disse...

G. Ele era absolutamente intenso, louco, varrido da vida! Um gênio despudorado, transloucado, desverbado, que já estou até a inventar palavras!
bjs

gláucia lemos disse...

Augusto dos Anjos casa muito bem com a maioria dos delírios alucinatórios de Dali. O poeta escreve os horrores de certas criações do pintor. Acredito que nasceriam pequeninos monstros de uma cópula entre os dois caso um deles fosse mulher. Inegavelmente monstros estéticos, bem encaixados no nicho da "estética do horrendo" ou seja, obras de arte impactantes já que o belo não se restringe à BELEZA como a pensamos quando à margem do pensamento filosófico da Estética. Benditos delírios.

Zélia Guardiano disse...

Maravilha de postagem, amiga Gerana!
Casamento perfeito entre texto e imagem; consórcio maravilhosamente firmado entre Dali e Augusto dos Anjos...
Sendo, cada um, grandioso na sua arte, juntos então...
Grande abraço!

Nilson Barcelli disse...

Não conhecia o poeta. Mas a julgar pelo soneto, foi um escritor brilhante.
Escolheu uma bela ilustração.
Beijos, querida amiga.

dade amorim disse...

O primeiro poema que li de Augusto dos Anjos me fez lembrar Nelson Rodrigues, guardadas as diferenças. Depois de refletir um pouco mais, percebi que, mesmo em outro estilo, o impacto causado pelo poeta tem mesmo alguma coisa de rodriguiano. Nunca pesquisei sobre ele, não sei se a impressão tem algum respaldo teórico.

Beijo pra você.

Lisarda disse...

Um grande poeta que mixtura palavras de poesía e ciencia, como no verdadeiro princíoio da poesía.

Lidi disse...

Aprecio muito Augusto dos Anjos. "Versos íntimos" é um dos meus poemas favoritos. Um dos poucos que tenho decorado. Nunca esqueci. Bjs

Walkyria Rennó Suleiman, disse...

Sabe gerana
samrpe tive um pouco de medo do Augusto... ele mostra ese bicho da gente.

Sei lá.... sem tolerância. O Pessoa faz isso tbm, mas com mais carinho.

Vc tem o toque, de pinças aquilo que nos deixará sinais.

Sei que pensarei nesse poemas alguns dias.

Fernando Campanella disse...

Que coragem colocar em poesia os demônios que todos trazemos. Poesia que faz do inferno que herdamos um céu. Grande abraço, Gerana.

Nilson disse...

Muito doido. Dos anjos e dos demônios!