quinta-feira, 8 de julho de 2010

LAVOURA ARCAICA


Gerana Damulakis
---------------------para Helena, (http://bipedefalante.blogspot.com/)

...o tempo, o tempo, esse algoz às vezes suave, às vezes mais terrível, demônio absoluto conferindo qualidade a todas as coisas, é ele ainda hoje e sempre quem decide e por isso a quem me curvo cheio de medo e erguido em suspense me perguntando qual o momento, o momento preciso da transposição?
--------------------------Raduam Nassar


Na lista dos romances “clássicos” da literatura brasileira — “clássicos”, segundo uma conceituação que leva em conta a excelência dentro de certa literatura —, seguramente Lavoura Arcaica (1975), de Raduam Nassar, tem seu lugar garantido.

O romance é estruturado conforme a parábola que lhe serve: a parábola do filho pródigo, aquele que parte e retorna. André é o filho que partiu, um filho violentado pelas leis rígidas da família: a ditatorial lei paterna, a afeição materna, a família fechada para o mundo.

No início do romance, André recebe o irmão mais velho, que veio para buscá-lo. André revive os acontecimentos determinantes de sua partida, incluindo o incesto com a irmã. As reflexões de André, durante todo o romance, seguem justamente aquele tom dos sermões que o pai pregava, só que, enquanto o pai deita conselhos alicerçados na palavra “não”, André quer dizer “sim” para tudo, até para o que contraria as leis naturais.

A grande discussão gira em torno do tempo: é o tempo que guia o acerto de contas familiar. O pai usa o “nunca”, o filho quer o “já”. E, já, André volta, e volta com sua caixa cheia de badulaques. A irmã, Ana, usa tais badulaques nos festejos da volta do irmão, dando, assim, mais uma volta no tempo — algo que o pai não suporta.

A linguagem, como sempre a linguagem, é movida pela força e pelo fôlego; este último, o fôlego, confere à narrativa por ele ritmada, a originalidade do discurso. E ainda: o tom é o de um recital, ora trágico, ora lírico. Seja pela elaboração, estrutura, registro e versão da parábola, seja pelo tanto de recursos de linguagem, o poder das metáforas, o vocabulário diverso e rico, Lavoura Arcaica é um grande romance da literatura brasileira do século vinte e marca o nome de Raduam Nassar na galeria dos grandes escritores brasileiros.


Foto: Raduam Nassar.

19 comentários:

Maria Muadiê disse...

adoro esse livro. e gosto do filme também. Essa foto de Raduan é linda, não é?

Maria Muadiê disse...

adoro esse livro. e gosto do filme também. Essa foto de Raduan é linda, não é?

Maria Muadiê disse...

adoro esse livro. e gosto do filme também. Essa foto de Raduan é linda, não é?

Edu O. disse...

Você nos encanta com estes textos sobre os autores, os seus livros, sobre a vida dentro deles.

Kovacs disse...

grande romance, um dos destaques da literatura brasileira moderna.

Bípede Falante disse...

Gerana, antes de tudo, obrigada. O Lavoura, como você sabe, é um livro importantíssimo para mim. O primeiro livro que li do Raduan foi O Copo de Cólera. Li da primeira à última página sentadinha em uma cadeira de aeroporto. A fascinação foi imediata. Aí, quando, finalmente, o Lavoura caiu nas minhas mãos, caíram com ele as agulhas e linhas que eu tanto necessitava para cerzir os muitos buracos do meu tecido, rasgado por um duro pai e por uma frágil mãe. E o que realmente me ajudou e surpreendeu foi o zelo e respeito com que essas agulhas foram-me emprestadas pelo Raduan. As verdades foram declaradas, escancaradas, mas com amor, com o amor que nos permite seguir adiante. O Lavoura é um livro de amor. E a verdade, a gente sabe, se não for dita com amor, transforma-se em pura crueldade.
Gostei muito da sua resenha :)
Sinto-me acarinhada e compreendida.
Grande beijo.
BF

Tania regina Contreiras disse...

Gerana, ler suas resenhas é sempre muito bom, traz sua marca, dá gosto. No caso da Lavoura, só uma coisinha (falei há um tempo, acho que pra Bípede): ah, preciso devolver o exemplar que me foi emprestado! O dono sabe que está bem guardado, mas...esse que me olha na estante...não é meu :-)
Beijos,
Tânia

Rayuela disse...

Como ya dije varias veces, en este país no hay difusión de la literatura brasilera.Así que no pude leer este libro.Sí he visto la película, que no puedo saber cuán fiel es a la novela.
Habrá algún día en que pueda conseguir tantos libros por vos recomendados.

un beso, querida Gerana*
(y agradezco tus visitas y tus palabras, que siempre acarician mi alma)

CAROLINA CAETANO disse...

Eu li o Lavoura Arcaica há um bom tempo e, há poucos meses, assisti ao filme. Vale destacar que minha memória sofre complicações, mas o filme foi bem fiel a pontos fortes do livro, assim como em transições, o que é bem interessante no cinema brasileiro.
Raduan é muito marcado em minhas leituras. Que bom vê-lo aqui.
Quanto aos seus livros, eu havia dito que compraria no início de agosto, mas não vou poder. Preciso fazer umas aquisições urgentes: uma nova gramática e um novo companheiro dicionário, acabei perdendo os meus num péssimo acontecimento. Então, podemos combinar para setembro? É bom que é o mês do meu aniversário e vou me presentear com seus livros - embora você tenha indicado apenas dois, eu quero todos! Hehe.
Um abraço, Gerana!
Carolina.

Walkyria Rennó Suleiman, disse...

Gerana, eu fiquei muito tocada com Lavoura. Mas só vc para fazer uma sinópse tão rica, tão envolvente, que dá vontade de ler novamente, agora com teus sinais.

betina moraes disse...

é uma grande criação da literatura. um grande livro! uma lembrança importante!

um beijo, querida.

dade amorim disse...

Esse livro marcou minha vida como um divisor de águas. Fui uma pessoa antes de ler Raduan, mas depois dele foi como se meus olhos se abrissem para coisas que nem me passavam pela cabeça. Ele faz isso, com sua prosa que leva a gente como uma correnteza. E o filme fez justiça ao livro, desde o trabalho dos atores até a imagem perfeita. Talvez mais do que Um copo de cólera, que embora tenha sido fiel, não foi tão eloquente quanto aquele texto que parece ser o próprio personagem.

Beijo, Gerana.

José Carlos Brandão disse...

Li Lavoura Arcaica como quem lê um poema. Pensando que o defeito dele é parecer mais um poema do que um romance. Pensando que é um romance perfeito na forma de um poema.

Assis Freitas disse...

é interessante que após toda essa recepção sobre a sua literatura, o escritor se fez silêncio,

abraço

Djabal disse...

É impressionante o talento de um escritor que escreve tão poucas obras e todas com extraordinário talento. Essa é uma obra prima. Beijos.

Georgio Rios disse...

Um grande Livro, o filme, acredite, ainda não vi.Mas pelo passeio que fiz pelas páginas, foram mais que proveitosos.

Fernando Campanella disse...

Curioso, Gerana, não li "Lavoura arcaica", talvez por descuido, ou por não ter havido ainda o momento certo. Mas (e não fique brava comigo, rs) algo que eu muito gostaria é assistir ao filme, que deve ser belíssimo, embora outra arte. Gostaria muito de ver o Raul Cortez dando como sempre um show de interpretação. Infelizmente o filme não atingiu os grandes circuitos, embora considerado um clássico do cinema de arte do Brasil.
Estou em dupla falta com "Lavoura Arcaica", portanto.
Gosto muito da maneira como você escreve sobre obras literárias.
Grande abraço.

Anônimo disse...

gracias a Dios por intiresny

Anônimo disse...

Por que no:)