segunda-feira, 21 de junho de 2010

A CAVERNA



Sou incapaz de destacar o título maior de José Saramago, mas costumo pensar muito no romance A Caverna (Companhia das Letras, 2000) todas as vezes, se e quando coloco o assunto das preferências.

Do meu caderno, seguem algumas passagens inesquecíveis retiradas da grande alegoria plasmada em A Caverna:

... nas circum-navegações da vida uma brisa amena para uns pode ser para outros uma tempestade mortal, tudo depende do calado do barco e do estado das velas.

... o tempo é um mestre-de-cerimónias que sempre acaba por nos pôr no lugar que nos compete, vamos avançando, parando e recuando às ordens dele, o nosso erro é imaginar que podemos trocar-lhe as voltas.

... O MAU NÃO É TER UMA ILUSÃO, O MAU É ILUDIR-SE, ...

... É difícil pensar quando não se sabe, Discordo, pensa-se precisamente porque não se sabe, ...

José Saramago



Ilustração: não encontrei os créditos na net.

15 comentários:

Lisarda disse...

Genial, esa frase última que remete a la nuvem do não-saber.
Certeza da incerteza: um bom início pelos roteiros da vida...

Jefferson Bessa disse...

Gerana, sei da sua admiração por Saramago. Estou acompanhando a sequência das postagens. A seleção está de primeira.
Beijos.
Jefferson.

Assis Freitas disse...

"É difícil pensar quando não se sabe, Discordo, pensa-se precisamente porque não se sabe".

O princípio da incerteza,

abraço

Walkyria Rennó Suleiman, disse...

Tô aqui mimnha querida e vc tá me devendo e.mail, vc sabe que sou baixa mesmo, cobro na boa.

Walkyria Rennó Suleiman, disse...

Ah, há...te peguei!

Walkyria Rennó Suleiman, disse...

Gerana minha flor, genial teu caderninho, sempre pronto pra se abrir magicamente, como a bolsa do Mago Merlin.(ainda vejo este caderno)

Olha, essas citações me fizeram lembrar quando vc me disse, muito sabiamente, que legal, minhas elocubrações eram bacanas, bem escritas e coisa e tal. Mas que - Wal, a vida tá passando.
Lembra?

Eu não me esqueço nunca Gerana. Quando começo a dar nó, lembro de vc, minha amiga!

Walkyria Rennó Suleiman, disse...

Ah, não te peguei nada, é que abri o mail simultaneamente com o blog, e achei que vc tava respondendo agora....
Gerana? De manhã? Outro evento organizado por ela?

Maria Muadiê disse...

Lindo.

glaucia lemos disse...

Um título maior? Que tal O
" Memorial do convento"? O primeiro que li de Saramago foi "A jangada de pedra" que me encantou, em seguida o "Memorial do convento" me fez dizer: tenho que ler tudo o que existir escrito por esse escritor, e assim fiz. Faltam só as poesias e os de teatro porq não gosto de ler tetro, gosto de assistir. Teatro só li Shakespeare, porque não podia deixar de ser, ou não o leria nunca.

betina moraes disse...

gerana,

saramago é um autor que terá seu valor triplicado quando cem anos tiverem se passado... há coisas ditas por ele, expressões usadas em livros, divagações humanas, voz de personagens que serão citadas como verdades incontestes no futuro, merecidamente.

é um escritor para sempre.

seu caderno... ah... que vontade de ter o seu caderno...

um beijo!

Bípede Falante disse...

É mesmo difícil escolher. São tantos os trechos incríveis.

Tania regina Contreiras disse...

Gerana, que bom poder estar aqui com o Saramago via o Leitora Crítica e sua sensibilidade

Beijos,
Tânia

Walkyria Rennó Suleiman, disse...

Gerana
o mail era pra vc tbm, mas eu coloquei cópia oculta, poxa......

Bípede Falante disse...

Gerana, fui na Cultura buscar O Vinho da Juventude. Comprei, mas não é o mesmo Confraria do Vinho. É um livro de contos, muitos sobre a relação pai e filho, como trata o Confraria. Acho que ainda não foi mesmo traduzido aqui no Brasil.

Rayuela disse...

sigo leyendo tu cuaderno...es maravilloso.
alguna vez pondrás algo de Blimunda?
es un tímido pedido...

besos, Gerana*