sexta-feira, 27 de novembro de 2009

FRASES NECESSÁRIAS

Gerana Damulakis

Mario Quintana (1906-1994) deixou uma poesia que geralmente é rotulada como simples. Eis algo que me intriga. Assim ocorre também no caso de Manuel Bandeira, profundo conhecedor de poesia, poeta capaz de um soneto ou de versos saídos de uma notícia de jornal: nada há de simples na poesia de Manuel Bandeira, pelo menos não no sentido pejorativo atribuído a esse “simples”.
Mario Quintana – o Mario é sem acento – tem poemas belíssimos e frases belíssimas. A construção, poema a poema, verso a verso, frase a frase (como querem alguns), deixa evidente a elaboração e o talento.

Igualmente um grande tecedor de frases é o poeta Manoel de Barros (1916- ). Já ouvi alguém dizer sobre Manoel de Barros: "É um 'frasista' apenas". Que tal "apenas" reconhecermos que as frases são achados poéticos, que nos encantam, que nos fazem refletir? E, às vezes, precisamos de uma frase, precisamos repetir uma frase até a exaustão, precisamos ser convencidos... ah, como precisamos!

De Mario Quintana:

O tempo não pára! Só a saudade é que faz as coisas pararem no tempo...

De Manoel de Barros, um verso lido há muito tempo, mas inesquecível:

Caracol é uma solidão que anda na parede...

5 comentários:

aeronauta disse...

Quintana é um menino grande, brincando com as imagens, para toda a eternidade. Adoro esse anjo.

Ana Tapadas disse...

Quintana é um poeta muito conhecido, mesmo por aqui. Conheci muitos dos seus poemas por aqui na blogosfera.
Se nada dissesse à sensibilidade leitora, não estaria tão divulgado.
É sempre bom chegar aqui.
Beijinho

Ana Tapadas disse...

Obrigada pelo comentário. Vindo de ti fico um pouco perturbada.
Não, nunca publiquei um livro. Nunca dei grande valor ou levei a sério.
Beijinho e, outra vez, obrigada,
Ana

Maria Muadiê disse...

são lindos, são lindos..

Anônimo disse...

quello che stavo cercando, grazie