segunda-feira, 2 de novembro de 2009

ELIAS CANETTI: SOBRE OS ESCRITORES

Gerana Damulakis

Elias Canetti é o autor do romance Auto-de-fé, incluído na minha lista dos 100 romances que considero mais grandiosos. Não fica por aí, no entanto, a minha admiração por Canetti: os volumes A língua absolvida, Uma luz em meu ouvido e O jogo dos olhos merecem releitura e ainda os contos de Vozes de Marrakech e O todo-ouvidos - Cinquenta caracteres, os quais trataram de estabelecer certa intimidade com o autor de O outro processo- As cartas de Kafka a Felice quando, então, definitivamente eu coloquei Canetti em um lugar muito precioso nas minhas lembranças de leitura. Apenas Massa e poder (ensaio filosófico-etnológico), um livro importante e que chamou a atenção para Canetti, não encontrou em mim a capacidade necessária para o entendimento, pois foge da minha seara, sou assumidamente limitada.

Nobel de 1981, Canetti morreu em 1994 e deixou inéditos com ordem para publicação apenas 30 anos depois da sua ida. Todavia, estão aparecendo os inéditos de Canetti. Foi com grande expectativa que comprei meu exemplar de Sobre os escritores (José Olympio Editora, tradução de Kristina Michahelles) com apresentação do admirável Ivo Barroso. A erudição de Canetti é alicerce seguro para escrever sobre escritores. Contudo, há momentos em que certo desdém está misturado com admiração; de saída, isto também foi percebido por Ivo Barroso, o qual vai além, associando o desdém, não com a inveja, mas com a identificação e a autocrítica de Canetti. Seja lá qual for a explicação, o certo é que, em dadas passagens críticas, pensei que os textos de Sobre os escritores poderiam continuar inéditos. O melhor Canetti já foi publicado.

9 comentários:

dade amorim disse...

Como sempre, um ótimo comentário. Canetti é um de meus autores queridos. Grande abraço.

Janaina Amado disse...

Gerana: adoro Canetti. Depois de ler seu post, já sei que NÃO lerei "Sobre os escritores"! Abraços.

'The taming of the shrew' reedited: disse...

Aprendo tanto aqui. Aprender ilumina e fortalece minha alma. Obrigada, Gerana. Obrigada por compartilhar tanta riqueza.
Meu carinho e bem querer sempre
Martha

Non je ne regrette rien: Ediney Santana disse...

resenha muito precisa e com informações importantes
Ps- tenho o livro Sosígenes Costa - O poeta grego da Bahia

Ana Tapadas disse...

Também adoro Elias Canetti! Como não? Escreve de forma extraordinária e além do mais tem aquela maravilhosa matriz cultural sefardita, tão querida aos alentejanos como eu...
beijo

Nílson disse...

Esse blog é, de fato, um guia imprescindível!

adelice disse...

Gerana, o teatro de Canetti é espetacular, para ser bem redundante. Talvez um dia eu leve para o palco uma obra-prima sua: O casamento. Soube por alguém que o blog estava inativo...entrei aqui e vi que não. Maravilha! Abraço, Adelice

Edu O. disse...

Oi Gerana, tem Nossa Sra. de Fátima, sim. Tem em andor e oratório de caixa fósforos, nem oratório de casca de ovo também.

João disse...

Do Canetti, li A língua absolvida, livro dado a mim de presente. Delicioso. Mas, engraçado, nunca pensei na possibilidade de conseguir outros livros do autor - o que farei, tão logo minha fila de livros de cabaceira diminua um pouco.
Obrigado (novamente) pela dica, moça.