segunda-feira, 7 de setembro de 2009

DA REALIDADE I



"O gênero humano/ não pode suportar tanta realidade".

T. S. Eliot

"Quatro quartetos". In: Poemas. Trad. Ivan Junqueira.







Gustav Janouch, em Conversas com Kafka (Novo Século Editora, 2008), conta que visitou uma exposição de pintura numa galeria de Praga, acompanhando Kafka.

Diante das obras de Picasso, Janouch comentou que o pintor espanhol distorcia de próposito os seres , as coisas.

Kafka, um artista entendendo outro artista, disse: "Ele apenas registra as deformidades que ainda não penetraram em nossa consciência".

Foto: T. S. Eliot

4 comentários:

gláucia lemos disse...

Interessante dois artistas comentando um terceiro, especialmente quando o quilate é tão equilibrado entre os três.
Concordo com os dois: Picasso já tinha provado sobejamente o exímio desenhista que era, nas suas fases azul e rosa. Na fase do cubismo podia dar-se ao luxo do maneirismo Qto. a Kafka,lembremos do inseto que havia dentro do seu protagonista e amanheceu personificado. Natural que ele assim interpretasse a intenção do catalão.Identificou-a com a própria

Gerana disse...

O que eu quis mostrar foi: o ser humano não pode suportar tanta realidade, como colocou o poeta Eliot. Fiz a associação com a história de Janouch e Kafka porque a observação de Janouch confirma o que diz Eliot. Janouch achou que Picasso distorcia tudo, ou seja, Janouch é o ser humano que não suporta tanta realidade. Aí Kafka, artista como Picasso, mostra a visão de quem lida com a arte, isto é, aquilo é a realidade, justamente a realidade que não chega até a nossa consciência por não ser possível suportá-la totalmente.

hipergheto disse...

Acho que foi Nietzsche que disse que precisamos sempre de véus para suportar tamanha realidade. Concordo, mas não podemos deixar de tentar encará-la quando possível. Não é o caso que vc está tentando demonstrar com este post, mas a distorção da realidade, quando não é por essa ótica de Picasso ou Kafka, pode ter consequências desastrosas. Grande abraço e vida longa.

Gerana Damulakis disse...

Você está certíssimo, João. E veja que coincidência, porque estive falando disso com Ruy na sexta.
Faço algumas advertências, já que outro dia fui interpretada erradamente por alguém (vc sabe).