quarta-feira, 20 de agosto de 2008

BALADA PARA UMA BAILARINA



Fred Matos





desde aquela suíte do quebra-nozes
quantos anos você tinha?
treze? quatorze? quinze?
enamorei-me ao som de Tchaikovsky

você nunca me contou se naquela noite
sonhou ou não com ratazanas nem por que
só se sente equilibrada na ponta dos pés
e evita sempre que pode uma conversa séria

tornei-me ratazana das ribaltas e dos proscênios
pelo prazer de me prostrar aos seus pés maltratados
pés deformados pelo esforço do equilíbrio precário
pés que eu lavo, massageio, acarinho e agasalho

a nossa vida tem sido desde então o teatro
entre ratos será... até o seu último salto.



Fred Matos é autor de Melhor que a encomenda (FUNCEB,2006). Foto de P.B, retirada do Flickr.

5 comentários:

Gerana Damulakis disse...

Poema redondo. Parabéns!

tita coelho disse...

Muito bonito, início, meio e fim!

Anônimo disse...

Às duas os meus agradecimentos.
Beijos.
Fred Matos.

gláucia lemos disse...

Há poetas feitos e famosos que deixam os poemas sem finalizar, o leitor conhece versos muito bons, inspirados, e no final falta alguma coisa. Gosto dos que finalizam como você faz. Dá seu recado e por fim fecha, dá a conclusão para o sentimento expresso. Este poema é mais uma amostra do valor do poeta. Parabéns.

Anônimo disse...

Vindo de você é um elogio e tanto, Gláucia, só me cabe agradecer.
Beijo.
Fred.