quarta-feira, 6 de agosto de 2008

ALEXANDRE SOLJENITSIN (1918 - 2008)

Gerana Damulakis




Os restos mortais do Nobel da Literatura de 1970, o russo Alexandre Soljenitsin, encontram-se hoje em câmara ardente na Academia de Ciências, em Moscou, para uma última homenagem antes do funeral, quarta-feira. O escritor morreu domingo, dia 3 de agosto, aos 89 anos.
Sua obra célebre é Arquipélago Gulag, mas coloco na minha lista dos 100 livros inesquecíveis a obra-prima Um dia na vida de Ivan Denisovich, que li e tenho em edição portuguesa da Coleção "Livros de Bolso Europa-América", Publicações Europa-América .

Um comentário:

pereira disse...

Os russos marcaram a literatura num ponto importante, a dizer, na expressão da suportabilidade do sofrimento humano. O autor do Arquipélago Gulag deixou esta marca, seguindo sua linhagem.Um aplauso para ele.