quinta-feira, 26 de agosto de 2010

ODE A MATISSE


Gerana Damulakis

Conheci, no mundo real, Caio Rudá de Oliveira, do blog http://www.dasideiasdecaioruda.com/, no lançamento dos livros de Ângela Vilma e Mônica Menezes (aliás, foi muito interessante tantos blogueiros deixarem a existência virtual). Caio levou um presente para mim: um exemplar de seu livro de poemas Das ideias (Editora Virtualbooks, 2010). Eu poderia colocar aqui o poema "nunca me dê flores, meu bem", que considerei um dos melhores. No entanto, escolhi aquele que li primeiramente, usando a técnica (já mencionada em outra oportunidade) de Myriam Fraga: abre-se o volume ao acaso e, se a leitura do poema for satisfatória, o livro será lido desde a primeira página; coube ao poema "Ode a Matisse" ser o primeiro. Mas, sendo um poema curto, acrescento outro, "Testamento".


ODE A MATISSE
Caio Rudá

No final do arco-íris repousa um pote de ouro
Diziam pai, mãe e um livrinho sobre gnomos
cresci, morri e reencarnei num Matisse
E só então entendi tal asserção.

TESTAMENTO
Caio Rudá

Eu quero morrer louco
são nem um pouco
doido de pedra
demente, decadente
sem mente, sim
completamente doente.

Eu quero morrer assim
para não fechar meus olhos
ciente de que é o fim.

Ilustração: Música, de Henri Matisse.

12 comentários:

Tania regina Contreiras disse...

Já fui lá conferiri o blog, Gerana. Grata sempre pelas suas dicas e sugestões.
Abraços,

Rayuela disse...

excelentes los poemas de Caio, ya fui a visitarlo!
(maestra sos,Gerana)

mil besos*

Assis Freitas disse...

bons exemplos, safra de boa poesia


abraço

Georgio Rios disse...

O Velho Caio, hoje quando leio os poemas ainda lembro que ele nem queria ser poeta, e eu dissei que se não fosse poesia o que ele escrevia eu estava cego. Tá ai! O Cabra com livro bom na estrada. E isso começou com a boa e velha Rock Band The Mandus, onde pudemos compor algumas músicas. Vida Loga ao Caio, e A Gerana, muito feliz esta tua missão de Leitora Critica.Um abraço!

Lisarda disse...

Querida Gerana, hoje chegou o livro dos cem melhores contos: muito obrigado por este livro que chega oportunamente para meu aniversário.

É certo: que rareza é sair da vida virtual!

Grande abraço.

dade amorim disse...

Sempre uma boa dica :)

Saudade daqui.

Beijo

Centelhas do outro disse...

Esse Caio Rudá é muito bom. Me identifiquei bastante com o poema Testamento. É forte, sanguíneo, uma loucura bastante saudável.
Abraço.

Marcus Vinícius Rodrigues disse...

Gerana, muito bonitos os poemas de caio. Gostei muito. Quero ler aquele de que mais você gostou. Beijos, minha querida e obrigado por me esperar.

Caio Rudá de Oliveira disse...

Foi uma boa seleção, Gerana. Testamento é um dos que gosto muito. Muito obrigado!

Rayuela, seja bem-vinda lá no blogue.

Georgio, bem lembrado. Hoje devo dizer que não só não estava cego como tinhas uma ótima visão.

Centelhas, às vezes a loucura é a única saída para uma angústia maior.

A todos um grande abraço.

gláucia lemos disse...

Matisse merece todas as Odes. Aplausos.

Walkyria Rennó Suleiman, disse...

uau...Gerana..... pensei nas nossas conversas....

Fernando Campanella disse...

Belos poemas, principalmente o primeiro. Grande abraço, Gerana.