sábado, 29 de agosto de 2009

JOGO DO TEMPO

GD


_______Habitar o invisível
_______dá em habitar-se.
______João Cabral de Melo Neto

Sou
o que sou:
luto e saudade
de mim.

Sou
eu desamarrado,
pássaro livre,
que sua mão saltou.

Sou pensamento,
sou pouco corpo.
Sou outra verdade
mas, ainda verdade.

Sou contrários:
sou ontem e já não sou,
sou hoje amanhecido.

3 comentários:

Carlos Vilarinho disse...

Gerana, a última estrofe é sensacional.

Maria Muadiê disse...

Lindo poema.

Lidi disse...

Lindo, Gerana. Adorei. Beijo.