terça-feira, 21 de julho de 2009

FRASE INICIAL INESQUECÍVEL

Gerana Damulakis



Faz tanto tempo. Era um sábado de tarde. Levou apenas duas horas, se tanto. O impacto foi enorme. Quando fechei o livro, fui beber água, achando que seria impossível que algum outro livro me tomasse daquela forma. Menos mal que vários outros livros me tomaram da mesma forma, me tiraram daqui para onde, nem sei, para o livro mesmo, para sua história, para sua arte magnífica.

A frase inicial de A Metamorfose, de Franz Kafka, é emblemática do universo kafkiano, isto é mais do que notório. Depois da novela tão conhecida, fui, como de hábito, esgotar o autor. Tudo o mais que há em língua portuguesa da obra de Kafka é igualmente estupendo, inclusive O desaparecido ou Amerika, menos aplaudido e menos lido, mas que traz a novela (ou conto?) "O foguista" dentro da narrativa. Até os livros sobre a sua literatura são fascinantes, tal como K., de Robeto Calasso, sem deixar de fora o conhecimento de seu tradutor e grande conhecedor, Modesto Carone, que lançará em breve Lição de Kafka.

Agora o começo de A Metamorfose, continuando meus registros aqui das frases iniciais mais pungentes da literatura:

Quando certa manhã Gregor Samsa acordou de sonhos intranquilos, encontrou-se em sua cama metamorfoseado num inseto monstruoso.

Franz Kafka

(tradução de Modesto Carone)

11 comentários:

maria guimarães sampaio disse...

Grande, Gerana. Estes seus escritos me iluminam a mente. Kafka foi minha mais impactante leitura na juventude. Ah! já é tempo de começar releituras mas tanta leitura nova a ser lida.

Flamarion Silva disse...

Não lembro agora em que ponto, lendo O Processo, quase confundi o cenário descrito e toda a tensão, com uma passagem de Crime e Castigo. As pegadas são fortes, mas cada um com sua originalidade e genialidade.
De Kafka, sei de cor o início de O Processo:
"Alguém devia ter caluniado a Josef K, pois sem que ele tivesse feito qualquer mal foi detido certa manhã."
Sempre achei Josef K. uma representação do povo judeu, que foi cruelmente punido sem que se soubesse bem que mal havia cometido.
Abraço.

Carlos Vilarinho disse...

O Processo, Crime e Castigo, Angústia,(entre outros) são textos tensos e impregnados de sofrimento (diria Dostoyeviski com eco de Gerana para discussão)... De qualquer forma a metáfora do inseto veste ( e cai bem) em muitos por aí...

Nilson disse...

É realmente um primor de abertura. Te pega pela gola e puxa pra dentro do livro!!!

aeronauta disse...

Nunca me esqueço quando li "A metamorfose". Era uma menina, e o livro caiu nas minhas mãos sem nenhum aviso prévio. Senti uma agonia ao lê-lo, e, na minha ingenuidade, achava que ao terminar o livro a agonia iria passar. Nunca, nunca passou.
*Essa frase inicial é verdadeiramente inesquecível.
P.S.: Bom saber de sua amizade com Paes. Amo o "Prosas seguidas de Odes Mínimas". Tenho-o sempre comigo.

Gerana Damulakis disse...

Maria: eu também penso em releituras, mas há tanto ainda para ler. A literatura é inesgotável, talvez seja uma das razões de tanta sedução.

Flamarion: o início de O Processo é também inesquecível. Citei A Metamorfose porque, tendo sido o primeiro que li de Kafka, acabou por me marcar mais.

CV afilhado: são tantos os grandes romances. Para nós que adoramos, ainda bem!

Nilson: foi isso mesmo, entrei no livro!

aeronauta: José Paulo Paes foi marcante para mim, ele me ajudou muito. E, veja, a paixão pela literatura que nós compartilhamos e a nossa formação, ambos químicos. Não sei se Dora, a mulher dele, ainda vive,ela era ótima também. Inesquecível!

Flamarion Silva disse...

Boa lembrança, Carlos: Angústia.
"Levantei-me há cerca de trinta dias, mas julgo que ainda não me restabeleci completamente."
Impossível não perceber a forte influência do mestre russo.
O final de A Metamorfose também é marcante, pois de uma ironia sofrida, angustiante. Eu não dou sorte com A Metamorfose, pois sempre ando comprando este livro, mas meu cunhado sempre o rouba de mim. Ladrão miserável. Agora mesmo estou sem ele. Nem posso olhá-lo, pegá-lo, "como se fosse minha amante" (Clarice). É bem mesmo uma felicidade clandestina.
Abraço.

M. disse...

Gerana, amo Kafka, amo tudo de Kafka, tudo sobre Kafka. Sou assim mesmo: exagerada. Já escrevi sobre ele, sempre o cito, sempre o relembro. Li "A metamorfose" na adolescência: adoeci. Beijos, M.

Pedro disse...

Eu acabei de ler e me deu angústia.

Renata Belmonte disse...

Kafka mudou minha vida. Ganhei dimensões profundas, depois de conhecer sua obra.
bjs

glaucia lemos disse...

Kafka no início de A Metamorfose revela a iluminação do escritor predestinado. A força das primeiras frases leva ao espirito do leitor a ansiedade pelo que virá, pelo desconhecido que ele busca no texto, para a decifração do mistério anunciado.Diria ser uma estratégia, mas não, é um dom, sem o qual faltará verdade àquelas mesmas frases.É preciso ser Kafka, Tchecov,Dostoievski, Tolstoi. E semelhantes.