domingo, 15 de março de 2009

GRANDE BAÚ, A INFÂNCIA

Gerana Damulakis


Recebi a reedição do livro Grande baú, a infância, de Arriete Vilela. A escritora é de Alagoas, tem vários títulos publicados e muitos prêmios em sua bagagem. Faz bastante tempo que venho recebendo seus livros, seguindo sua produção literária e, principalmente, admirando seus textos.
Como escrevi, este Grande baú... é uma reedição, mas, ainda que logo no início a leitura me certificasse que os textos já foram lidos por mim em algum outro ano, não consegui parar de ler. Arriete tem um estilo que faz fluir a frase, o parágrafo, cada texto, enfim. E o conteúdo é um transporte do leitor para um tempo e uma criança que cativam. O texto nº 9 é especial; começa assim:
"- Avó, eu tenho medo.
- Está com medo de quê, menina?
- Eu não estou com medo, avó. Eu tenho medo."
Quando a menina lista de um só fôlego seus medos, garanto que cada leitor se identificará com muitos deles: são os medos que povoam a infância. Só que o mesmo leitor tomará um choque quando perceber que a menina disse tanto e a avó já não estava ali, havia passado para outro cômodo. "Teria me escutado a avó? Teria?"
É um livro repleto de emoções, é um encontro com um ontem carregado de intensidade, é enternecedor... Arriete traz sempre para seus livros, além do talento evidente, uma pungência que só pode ser traduzida em uma palavra: vida.

3 comentários:

pereira disse...

Vou procurar na livraria Cultura.

anna disse...

Já li a poesia de Arriete Vilela e gostei muito.

André Falcão de Melo disse...

Ótimo! E apesar de tratar-se de histórias curtas, você não se contenta em ler "uma hoje, outra amanhã". Quer sorvê-las num só golpe! Grande Arriete!