terça-feira, 14 de outubro de 2008

SOBRE QUANDO NIETZSCHE CHOROU



Irvin D. Yalom
foto do escritor retirada do seu site www.yalom.com/



Goulart Gomes

Há alguns anos deixei de ler livros no estilo "romance biográfico". Isso porque me incomodava, sobremaneira, não conseguir distinguir onde terminava a realidade e onde começava a ficção. O estopim para essa resistência foi uma biografia de Galileu Galilei, da coleção "Os Homens que Mudaram a Humanidade" (Editora Três, 1974), escrita por Filippo Garozzo. Atitudes, diálogos, gestos, sentimentos e até pensamentos do notável cientista italiano foram explicitados de tal forma que até parece ter sido o próprio a escrever o livro. Ao mesmo tempo em que isto implica em um mérito para o autor, pela sua pesquisa biográfica, também me provocava o incômodo de saber o quanto, de tudo, era verdade.
Por isso resisti tanto a ler o livro do renomado psiquiatra Irvin Yalom, da Universidade de Stanford, QUANDO NIETZSCHE CHOROU, aliado ao fato da minha natural resistência a ler os títulos que estão sempre na lista dos "mais vendidos". Mas, não só isso. Nietzsche foi um dos ídolos da minha juventude. Adquiria, nos sebos, tudo que encontrava sobre ele, até em idiomas que eu não sabia ler, como o francês e o italiano. O "Zaratustra" impressionou toda uma geração. E o mais incrível é que até a sua morte, em 1900, nem o autor nem o livro tiveram o reconhecimento merecido. Como ele bem sabia, escrevia para o futuro! Por isso, eu temia que a sua genialidade não estivesse fielmente retratada no romance.
Mas, após ter assistido o filme, no qual o ator Armand Assante representa o filósofo alemão magistralmente, tomei o livro emprestado e resolvi lê-lo. Apesar de ter apenas dois personagens centrais, que dialogam a maior parte do tempo, Yalom conseguiu inserir algumas tramas no texto, sendo as principais delas a crise de metanóia (termo formulado por Carl Gustav Jung, para designar a "crise de meia idade") do doutor Josef Breuer e os dramas existenciais de Nietzsche. Esses diálogos tornam-se um verdadeiro "xadrez psíquico", no qual os dois gênios primeiro se confrontam e depois se ajudam em suas dificuldades.
Mérito para o Dr. Yalom, também, por inserir, ao final do livro, um posfácio, onde estabelece os limites entre a ficção e a realidade, diferenciando as bases concretas da sua obra do seu exercício de imaginação. Enfim, uma obra provocativa, que pode, ainda, trazer um questionamento íntimo ao leitor, a partir das suas abordagens filosóficas e psicológicas. Longe de poder retratar com profundidade os conceitos apresentados no livro, o filme também conseguiu filtrar seus principais momentos, tornando-se um "resumo" para quem não tiver "fôlego" para a leitura das 400 páginas. Mas vale a pena o esforço, de ver o filme e de ler o livro. E, depois, conhecer um pouco mais das idéias de Friedrich Nietzsche.

Visite: http://www.movimentopoetrix.comhttp://www.goulartgomes.com

4 comentários:

Gerana Damulakis disse...

Um texto excelente, que desperta a vontade de ler o livro e ver o filme.

Carlos Vilarinho disse...

É, Jung percebeu muito. Talvez tudo.

Anônimo disse...

Realmente é um testo belíssimo e fascinante, tem uma boa ideologia!

Anna Araujo disse...

Li o livro e anos depois assisti ao filme, mas nada se compara com uma boa leitura, onde damos cara aos personagens conforme a nossa maneira. História fascinante que soa entre esse paralelo de ficção e realidade nos aprofundando dentro de cada detalhe.