segunda-feira, 6 de outubro de 2008

POEMA INESQUECÍVEL: A canção de amor de J. Alfred Prufrock, de T. S. ELIOT


Sigamos então, tu e eu,
Enquanto o poente no céu se estende
Como um paciente anestesiado sobre a mesa;
Sigamos por certas ruas quase ermas,
Através dos sussurrantes refúgios
De noites indormidas em hotéis baratos,
Ao lado de botequins onde a serragem
Às conchas das ostras se entrelaça:
Ruas que se alongam como um tedioso argumento
Cujo insidioso intento
É atrair-te a uma angustiante questão . . .
Oh, não perguntes: "Qual?"
Sigamos a cumprir nossa visita.

No saguão as mulheres vêm e vão
A falar de Miguel Ângelo.

Tradução de Ivan Junqueira.

O poema é longo. Fico dividida entre a tradução de Ivan Junqueira e a de João Almeida Flor. Segue outro trecho, mais ou menos na metade do poema; desta vez a tradução é de Almeida Flor.

Vou correr o risco
De perturbar o universo?
Num só minuto há tempo
Para decisões e revisões, a revogar noutro minuto.

Pois já conheço todas bem, conheço todas -
Sei as noites, as tardes, as manhãs,
Às colheres de café andei medindo a minha vida;
Sei que se esvaem as vozes em breve agonia
Abafadas na música de um quarto mais além.
Como havia eu de ousar, assim?

Um comentário:

gláucia lemos disse...

Muito expressivos versos. Lindos