sexta-feira, 4 de janeiro de 2008

MAIS QUE SEMPRE



Gerana Damulakis


Luís Antonio Cajazeira Ramos (foto) resolveu formar uma antologia de seus próprios poemas e intitulou o volume Mais que sempre. Quando colocou o autógrafo no meu exemplar, deixou estas palavras: "Gerana, a primeira pessoa a reagir com palavra escrita sobre minha palavra escrita. Isto é muito, é sempre, é mais que sempre". Fez um jogo com o título e fez um afago no meu ego. Seu primeiro livro foi Fiat Breu (Edições Papel em Branco, 1996), daí vem Como se (FUNCEB, 1999), do qual retiro o soneto "Punhal", cortante (sem trocadilhos), que faz a platéia estremecer quando dito pelo autor em voz alta, tal como ocorreu numa Bienal do Livro, aqui em Salvador, no Café Literário que ali foi implantado. Em 2002, Luís Antonio publicou Temporal temporal, pela Relume Dumará, um livro que antes de ser editado já era um vencedor: ganhou o Prêmio Gregório de Mattos 2000 da Academia de Letras da Bahia e foi menção honrosa no Cruz e Sousa 1998 da Fundação Catarinense de Cultura.
Há vários poemas de Luís que poderiam servir como amostra de sua poesia, seja pela força, seja pelo espanto que causam, seja pela beleza em si. Seguem o supracitado "Punhal" (pena que a voz dele não pode ir junto) e "Sonâmbula", dedicado a Gerana (diz ele que logo após a feitura, leu para mim pelo telefone - ele tem mania de fazer isso - e eu adorei; mas há tantos que eu admiro igualmente).


SONÂMBULA

A Gerana Damulakis

A vida passava, o amor não chegava.
Aguardava (a esperança a guardava)
o que não acontecia, quem não vinha.

Desenhava a felicidade na fumaça das horas,
debruçada sobre o parapeito dos sonhos,
vendo a todos transeuntes do deserto,
sob a sacada das emoções perdidas.

Improvável Penélope, tecia ilusões de partida
para confins imaginários sob o lençol diáfano,
manchado do sangue virgem de seus desejos,
satisfeitos na solidão de núpcias de nuvem.

A vida passava, a dor não chegava
ao pesar da vigília, a que o engano negava
acordar os galos e deitar os lampiões...
E beladormecia na eternidade em que se perdera.

E não se sabe que bruxa, que fada,
que fado a vida reservara a seu destino
de Cinderela das vertigens.


PUNHAL

Não quero ver, em teu olhar de vítima,
o viés de amor que me pretende algoz
de um sofrimento vão que ignoro. Atroz,
destruo teu desejo com desídia.

Meu dia tinge em negro a noite branca
do teu sonho, enlutando-o em solidão.
Ah esperança de que eu te fosse a pomba
que apazigua a dor... Tola ilusão.

Nego-te os arrepios de meus dedos
provocantes e táteis em teus pêlos
e não faço as carícias que precisas.

Não digo nada além de meu silêncio.
Nem ao menos desprezo teu tormento,
pois sigo estátua fria, sem desdita.

5 comentários:

Alexandre Core disse...

Vamos lá! Agora estou com paranóia para encontrar o bendito poema do Faustino que fala da morte entre as estrelas (risos). Seguem alguns trechos. Veja se recordas algo parecido neles.

Bjs,

De medo de perder-me em pleno leito / Rubro de vida e morte em que me deito / À luz de ardente e grave e cheia lua. / Ao que, se a Morte chama ao longe: Mário!, /
Me abraça estremecendo em meu sudário.



De lua entrelaçada a lua, estrela / Amalgamada a estrela...

...Em que hoje me embebedas, noite ardente: / Mortalhas no oriente e, no nascente, Fogueiras de alegria... Dura sorte, / Ter de deixar para outra noite a morte.

tita coelho disse...

Uau Gerana! Sonâmbula é uma bela poesia...Adorei Cinderela das vertigens! O amor que não vem, a espera pelo inesperado...hum...gostei!
Punhal tem expressão e força! Sinto com um alguém que buscou no outro alguma espécie de cura e esse se nega a dar...confusão de sentimentos...
beijos

Gerana disse...

Alexandre: não é isto ainda, diz de um choque com estrelas. Não há meio de localizar. Fiquei numa procura insana e vã. Será que só lendo tudo dele? Se eu soubesse extamente o verso, colocaria no google, mas sei paenas que tem "estrelas" (há em vários) e o tal "choque", não sei se foi exatamente choque, ou encontro...foi choque. E nós nessa, embarcando a loucura de Mário Faustino.

Kátia Borges disse...

Grande Cajazeira. Poesia sempre forte e arrebatadora. Bjs e bom 2008 para você, Gerana.

Carlos Vilarinho disse...

Peço licença ao Cajazeira. "Gerana também foi primeiro quem respondeu dentro da escrita a minha escrita". É muito mais que muito. E muito, muito inesquecível.Sonâmbula, como Letícia disse aí em cima. BELÍSSIMO, BELÍSSIMO. BRAVO!!!
Tô de volta.