quarta-feira, 9 de janeiro de 2008

EM FRENTE


Gerana Damulakis


Para o escritor Hélio Pólvora



Há Apolo e há Dioniso,
o homem olha os mitos
com fé e reza, ainda que
pareça ateu.

Agora, fechou as janelas:
Hélio brilhando lá fora,
não é Febo, ou Pan, nem
o próprio Zeus, mas
é poderoso e forte,
só que pouco adianta,
ele já fechou suas janelas.



Este poema é do livro Guardador de Mitos.
A foto traz os escritores, da esquerda para a direita: Aramis Ribeiro Costa, James Amado e Hélio Pólvora. Estávamos então na Fundação Casa de Jorge Amado, ao fundo estão as paredes forradas com as capas dos romances de Jorge em traduções pelo mundo.



2 comentários:

tita coelho disse...

hum...um poema forte, que dá confiança ao poeta! Lindo gostei d+!!
beijos meus

gláucia lemoms disse...

"Não adianta, o homem já fechou suas janelas" E depois que um determinado homem já fechou suas janelas, nosso maior desejo é apagar o brilho de hélio que continua brilhando inutilmente lá fora, não é, Gerana? Esse final de poema fere o coração da gente. Parabéns!